All Posts By:

bruna piloto

viagem

Kerala Blog Express: a minha chance de voltar para a Índia

Estou tão feliz e ansiosa ao mesmo tempo porque abriram as nomeações para a 6º temporada do Kerala Blog Express. Pra quem não sabe eu tenho um carinho muito especial pela Índia, acho que lá tem um poder de cura muito forte e uma energia surreal. E esta oportunidade é perfeita para poder voltar para lá.

barco kerala

Para o Kerala blog express serão selecionados 30 #blogayros do mundo todo para se juntarem em uma viagem de 2 semanas pelo Estado de Kerala que fica no sul da Índia. E eu adoraria poder participar dessa edição, só que para isso vou super precisar da sua ajuda. O processo é super simples e rápido!

Tudo o que você precisa fazer é:

1. Me nomear através desse link:
http://keralablogexpress.com/nominator/nominate

2. Inserir as minhas informações:

Meu nome: Bruna Piloto
Email: brunapraviagem@gmail.com
Nacionalidade: Sweden
Redes sociais: brunapraviagem.com
Instagram.com/brunapraviagem

3. Escrever o porque de você estar me indicando (se preferir vc pode copiar e colar a sugestão que deixarei logo abaixo*), seu nome e email.

 Depois disso é muito importante que confirme através do link que será enviado no seu email (⚠️ cheque a sua caixa de spam).

***Bruna is a very committed influencer with good engagement on her social media. She has been in a few blogger trips and her media is growing. She writes about travel, lifestyle, and spirituality. She has been to India before, Goa where she stayed för 2 months and there started her spiritual journey. Bruna is a perfect fit for Kerala Blog Express. I’m sure that it will be a trip of a lifetime for Bruna as well.

O processo é todo em inglês, quem precisar de ajuda é só me chamar. Leva dois palitos, juro.

Eu super agradeço desde já pelo seu tempo dedicado! Lembre-se que tudo que vai volta 😉

Suécia

5 estações de metro que valem a pena visitar em Estocolmo

Você já deve ter ouvido falar sobre as estações de metro daqui de Estocolmo. A cidade conta com 100 estações, sendo que, cada uma delas tem algo diferente para ser visto. Por conta de ter mais de 110 km de distância, o metro daqui é considerado como uma das maiores galerias de arte do mundo. É uma coisa que não dá para ser ignorada quando se passa por elas pela primeira vez.

Confesso que ainda tinham várias estações que eu nunca tinha passado antes por conta de ficarem fora de rota dos lugares para onde geralmente vou. Então eu resolvi fazer um programa bem legal e selecionar as estações que mais valem a pena de serem visitadas. Portanto se você tem um tempinho extra na cidade e está afim de ver algo diferente, este post irá te oferecer um pouco de inspiração para fazer um passeio mais inusitado.

A revista Forbes até já escreveu um artigo sugerindo que Estocolmo tem o metro mais lindo do planeta. Então se você estiver a fim de descobrir por si só, eu selecionei as estações que acho que mais valem a pena de serem visitadas. Agora vamos parar de enrolation e ir ao que interessa! Anota aí:

Mörby centrum

Linha vermelha

Essa daqui é a minha favorita. Fico até com ciúmes de dividir! HAHA

Ela é super fofa, tem essa parede toda colorida que conforme aonde você estiver ela irá mostrar uma palheta de cores diferente. O mesmo vale para o resto da estação que as vezes fica cor de rosa ou verde.

View this post on Instagram

Qual é a sua cor favorita? 🌈 ✨

A post shared by Bruna Piloto (@brunapraviagem) on

 

Stadion

Linha vermelha sentido Mörby centrum

Todos os anos o estádio de esportes do bairro de Östermalm abriga o Pride festival de Estocolmo. Por conta disso, a estação tem um arco íris gigante pintado nas paredes de rocha azuis.

View this post on Instagram

Caçadora de arco-íris 🌈💙💚💛🧡❤️💜✨⚡️ Tô mt blogayra. Aqui vai mais uma foto de outra estação de metrô para dizer que nesse final de semana está acontecendo o #stockholmpride e a cidade está literalmente cheia de arco-íris por todos os cantos. Vitrines, bandeiras (inclusive nos ônibus públicos)e embalagens(❗️). Na parada gay daqui, até as organizações oficiais participam dela (hospitais, polícia, bombeiros, etc). O casamento entre pessoas do mesmo gênero foi legalizado na Suécia em 2009. A sociedade sueca é bastante inclusiva em muitos aspectos. Para se ter uma ideia foi criado um pronome neutro para se referir a alguém de sexo não definido: hen. E uma outra coisa que acho bem legal e que vejo no meu dia a dia é que as crianças brincam de boneca, de cozinha independente de ser menino ou menina e elas são ensinadas a desde pequenininhas a ajudarem nas tarefas de casa. Não tem essa coisa de que cuidar da casa “é coisa de mulherzinha”. Apesar daqui ser um país tido como um exemplo de sociedade igualitária, os homens ainda ganham um pouco mais do que as mulheres fazendo exatamente a mesma coisa.

A post shared by Bruna Piloto (@brunapraviagem) on

 

 

T-Centralen

Linha azul

A estação mais movimentada da cidade. É na passagem em que faz a conexão da linha azul com as outras linhas que você encontra esse mosaico todo azul com flores brancas desenhadas. A intenção da artista que pintou foi criar um ambiente mais calmo para tentar desacelerar os as pessoas que passam por lá.

Thorildsplan

Linha verde

Quando falei que a estação de Morby centrum era a minha favorita, eu tinha me esquecido dessa daqui. Essa é a estação do Mario (só não vale perguntar que Mario, eim!). Quem cresceu jogando Nintendo, com certeza vai pirar quando passar por aqui. Você se sentirá como se estivesse dentro de um jogo de video game por conta dela ser toda pixelada. Cogumelos do Mario, aquelas nuvenzinhas fofas do jogo, projéteis e túneis. Tudo ali bem real. 

Odenplan

Linha verde

Essa parte da estação foi construída recentemente e foi projetada para conectar o metro com o sistema ferroviário da cidade. O teto dessa estação é muito incrível. Ele representa os batimentos cardíacos de um bebê exatamente no momento em que ele nasceu. As luzes de neon se estendem o caminho todo pelo teto que cobre as escadas rolantes.

Fora essas estações, também tem essas daqui que são bem famosas:

  • Solna Centrum
  • Kungsträdsgården
  • Rådhuset 

Bom esta foi a lista das estações que eu mais gosto e é claro que tem muitas outras mas acho que elas são bem mais simples do que essas mencionadas aqui.

Vale a pena lembrar que se você estiver usando o bilhete avulso ele só será válido por 75 minutos, então fique atento a isso. Também é possível comprar o passe de 24h, 72 h e 30 dias. Você pode comprar o seu bilhete nos terminais, em quiosques tipo 7eleven ou Pressbyrån, por SMS ou no próprio app da SL.

Caso os fiscais de metro te peguem com bilhete vencido é cobrada uma taxa de no valor de 1500 SEK. Então evite isso e faça como a titia falou: compre o seu bilhete tudo certinho.

Espero que eu tenha te inspirado no seu novo passeio. E se você já veio para cá e visitou alguma dessas estações, qual foi a sua favorita?

Te vejo na próxima parada! Hej då

 

 

Europa

As coisas mais legais de se fazer em Copenhague

Olá, gente!

Aqui neste post eu divido um pouquinho sobre o que fazer em Copenhague, essa cidadezinha que ganhou o meu coração. Apesar de ser bem cara, a capital da Dinamarca é o destino perfeito para um bate e volta. A cidade é relativamente pequena e as atrações ficam bem perto uma das outras.

Primeiramente, pra quem não sabe, Copenhague é o sonho de todo ciclista. A cidade é super acessível para quem pedala, chega até ser meio inacreditável de quão perfeito isso funciona. Lá são os ciclistas que mandam no trânsito e os carros super respeitam. E foi muito tranquilo alugar uma bike e descobrir a cidade. Juro que fiquei com um pouco de receio no início e pensei que os locais fossem ser um pouco selvagens, sem paciência com os turistas. Mas foi tudo super tranquilo e fiquei até emocionada em ver como tudo fluía tão bem. Para se ter ideia, até semáforos separados para os ciclistas existem.

A capital é pequena e para conseguir ver tudo com tranquilidade sugiro que você consiga ver tudo em 3 dias. Se você faz o tipo de pessoa que curte visitar todos os museus e atrações, o Copenhagen Card é uma ótima opção. Nele já estão incluídas todas as entradas e transporte público. Você pode ler mais sobre isso aqui.

O que fazer:

  • Alugue uma bike

Como fui para lá durante o verão, que por sinal nesse ano foi super quente, decidi fazer o máximo possível de bike. A cidade é plana e perfeita para andar de bicicleta. Eu aluguei a magrela mais high tech ever, a Donkey bike. Logo que você baixa o aplicativo e localiza a bike mais próxima e pá, sair pedalando. Foi surreal porque para destravar e travar a bike era só aproximar o celular, dar o comando no app e isso acontecia como num passe de mágica.

Quanto: eu achei o preço do aluguel bem bom, 110DKK por dia e eles tem esse serviço 24/7.

View this post on Instagram

I’m so happy that I visited CPH 🧡 // Tô tão feliz de ter conhecido essa cidadezinha tão linda! 🇩🇰 Essa viagem foi super espontânea (decidi ir pra lá um dia antes, a passagem de trem saindo de Stk estava quase de graça). O melhor jeito de se explorar a cidade é pedalando. Lá quem mandam são os ciclistas e foi muito de boa alugar uma bike e sair andando (tive um pouco de medo que eles fossem ser meio selvagens com os turistas assim como em Amsterdam mas deu tudo certo). Os dinamarqueses pareceram ser mais relaxados do que os suecos (pelo menos foi essa a impressão que tive). Eu gostei muito de lá apesar de ser tudo o zóio da cara (bem mais caro do que a Suécia para se ter ideia). A única coisa que achei meio difícil foi achar opções vegetarianas para comer – nada Que um japa ou um italiano não resolva 😬. A cidade é bem pequena e tudo fica perto, em 4 dias dá tranquilo para conseguir ver tudo. E você, qual país da Escandinávia você tem mais vontade de conhecer?

A post shared by Bruna Piloto (@brunapraviagem) on

  • Faça um passeio de barco pelos canais

Durante o verão (ou dias não tão frios), a minha dica é pegar um passeio de barco pelos canais saindo do porto de Nyhavn ou Gammel Strand. Essa é uma boa oportunidade para se ter uma ideia da distância entre os pontos turísticos da cidade. Os passeios duram em média 1h e custam em torno de 60DKK. A vista é bacana e é um programa turistão nível nivel hard mas vale a pena. Você senta e relaxa e let it be, totalmente passivo. O barco passa pelos principais pontos turísticos: a Pequena sereia, a Ópera, Christianshavn, o Palácio de Amalienborg, entre outros.

Ah, vale deixar a dica de que a maioria desses barcos não tem cobertura, ou seja, se começar a chover todo mundo fica molhado então tenha pelo menos algo na bolsa para se protejer e manter seus eletrônicos secos.

parque tivoli em Copenhague

Crédito: Tivoli

 

  • conheça o Tivoli Gardens

Essa é uma opção caso você tenha uns bons dias na cidade e/ou esteja viajando com crianças (a criança interior também conta nessa). Lá além dos brinquedos, você também encontra restaurantes, barraquinhas vendendo coisas típicas, lojas cheia de cacarecos que não precisávamos ter até encontra-los (sério, eles até tem uma Illums bolighus, quem é apaixonado por design escandinavo sabe do que estou falando 😉

O parque é muito lindinho e sempre tem algum evento acontecendo. Se você não puder passar o dia lá, a minha dica é ir visitá-lo no final da tarde já que ele fica ainda mais maravilhoso todo iluminado durante a noite.

Quanto: entrada a partir de 120DKK *adulto e pulseira para andar nas atrações 230DKK.

porto de Nyhavn em Copenhague

  • Passeie por Nyhavn

Essa é um must, o cartão postal de Copenhague. É o lugar mais turístico de toda a cidade mas mesmo assim vale muito a pena porque é uma gracinha. Eu juro que voltei lá todos os dias para chupar um sorvete rs! Durante os dias quentes, os restaurantes colocam as mesas no lado de fora então dá para ter aquela refeição gostosa bem longa curtindo a vista. Só de andar por ali já vale muito a pena, é um lugar perfeito para people watching.

Compre uma Carlsberg e relaxe em algum lugar no porto 🙂

bicicletas em Christiania, Copenhague

  • Conheça a comunidade alternativa Christiania

Lá eles tem suas próprias leis e não se consideram como sendo parte da União Européia, é uma sociedade dentro da sociedade. O lugar que antes era uma base militar foi ocupado por hippies nos anos 70 que eram contrários ao sistema capitalista. O consumo de maconha é permitido e você vê pessoas a vendendo nas barraquinhas. Não é permitido fotografar dentro da comunidade. As pessoas que moram lá – que por sinal não são muitas, construíram as suas próprias casas. Eles têm várias regras no lugar: não ao consumo de drogas pesadas, a entrada de carro é proibida, não à violência e às armas, dentre outras regras.

Foi interessante conhecer esse lugar apesar de eu não ter sentido uma vibe muito boa. Perto da comunidade tem uma igreja, a the Saviour Church, que vale a pena conhecer se você curte vistas panorâmicas de cidades. Você sobe 40 degraus e tem uma vista bem legal de lá de cima.

estátua da pequena sereia em Copenhague

  • Veja a estátua da Pequena Sereia

Lembram do filminho da Disney da Pequena Sereia que assistimos umas 500 vezes? Então, ele foi baseado nos contos do dinamarquês Hans Cristian Andersen, Den lille havfrue.

Assim, a estátua é bem pequena mesmo e fica em um parque a uns 2 km do centro da cidade. No dia em que eu fui, ela estava lotada de turistas e eu nem me arrisquei em chegar muito perto porque não curto muito lugares muvucados (essa foto aí está cortando as 938493 pessoas posando ao redor dela).  Se você tem paciência e tempo de sobra, vale a pena ir, senão é dispensável. Não vale a pena ir caminhando de Nyhavn pra lá, alugue uma bike ou vá com os passeios de barco.

casas amarelas em Nyboder, Copenhague

  • Visite o bairro Nyboder

Esse lugar eu descobri totalmente sem querer quando estava pedalando. Na hora parei porque adorei a cor dele: todo cheio de casinhas amarelas. Elas foram construídas para marinheiros no séc XVII pelo rei e hoje em dia moram pessoas normais. Foi ali também que foram filmadas algumas cenas do filme Garota dinamarquesa. Bom, se você é apaixonado por arquitetura, vale a pena uma parada.

  • Gråbrodertorv

Essa é uma praça típica com aqueles predinhos de fachada gracinha que todo mundo geralmente se apaixona. Eu a encontrei meio escondida perto das ruas comerciais do centro e fiquei super feliz. Super charmosa, perfeita para um cafézinho ou almoço. Lá tem vários restaurantes e eu recomendo o simpleRaw que serve comidas veganas deliciosas e lyndas.

Fatos a serem considerados antes de ir:

A Dinamarca também faz parte do acordo de Schengen, ou seja, brasileiros podem permanecer até 90 dias com possibilidade de renovação de visto.

Como citado antes, a cidade é bem cara, então é bom fazer um planejamento legal para não sair muito fora do seu orçamento. Pra se ter idéia, Copenhague é mais cara do que Estocolmo, aonde moro – e aqui já é considerada uma capital cara. Uma refeição custava em média 120DKK, uma cerveja pint num bar, 55DKK e um hotel no centro custa em torno de 2000DKK.

Resumindo, fora essas dicas, também tem vários castelos que valem a pena conhecer para quem curte. Dessa vez, eu quis fazer uma coisa mais livre e não quis entrar em castelos. Na próxima vez que eu voltar, quero visitar o bairro de Norrebro que tem cara de ser bem legal também e quem sabe ver os castelos?

Bom, espero que você tenha gostado dessa cidade o tanto quanto eu gostei e se tiver alguém que quiser me dar umas dicas, também está valendo! 🙂

A gente se vê no próximo rolê!

viagem

A Romênia além Drácula: o lado verde do delta do Danúbio

Sempre quando se fala em Romênia vem a nossa cabeça a imagem do Drácula chupinhando pessoas. Tanto é que quando fui convidada para participar do #experienceRomania  logo pensei que iríamos para a Transilvânia. Mas acabamos cruzando o país para explorar outras regiões, incluindo o delta do Danúbio e o lado festeiro da costa do Mar Negro.

Fazia tempo que eu não escrevia aqui no blog sobre viagens, então vamos fazer jus ao nome! 🙂

Foi a minha primeira press trip da vida e eu fiquei tão feliz de ser sido selecionada para participar junto com outros 40 #blogayros, fotógrafos e jornalistas from all over the world. É o tipo de viagem em que todo mundo tira foto da comida antes de comer.

A nossa viagem começou em Viena porque de Estocolmo não tem nenhum voo direto para Bucareste (a não ser Ryanair mas a gente não estava muito afim de perrengue). Me arrependi de ter ido já com a passagem de volta marcada porque queria ter ficado muito mais tempo em Bucareste e ter dado uma esticada na Transilvânia mas fica para a próxima.

Para fazer essa viagem tem que estar preparado para andar de barco o tempo todo e sempre ter uma garrafinha de água e uns snacks se você também tem uma solitária na barriga que nem eu.

Como chegar:

Nós pegamos um ônibus de 5 horas partindo de Bucareste e um barco de aproximadamente 1 hora até uma cidadezinha já no delta do Danúbio: Crişan. Era mais um stop over lá para a viagem não ficar muito longa. Nós ficamos hospedados no Sunrise Hotel, um hotel bem gostosinho. Foi um lugar muito simpático com direito a apresentação das danças tradicionais da região durante o jantar.

Pareciam umas bonequinhas. Juro que quis levar uma pra casa.

 

Onde o Danúbio encontra o Mar Negro

No dia seguinte pegamos um outro barco de 1 hora e meia aprox. para chegar em Sfântu Georghe, na região de Tulcea que por sinal fica colado na divisa com a Ucrânia. Essa cidade é super pequena e tem por volta de mil habitantes. Eu simplesmente amei essa região que me deu muito aquele feeling de cidadezinha de interior onde a vida passa devagar.

 

 

Dessa vez ficamos hospedados no Green Village Hotel , um lugar maravilhoso que quando eu ficar ryca com certeza irei voltar! Eles oferecem aulas de yoga, as camas são de bambu, as vilas são tipo casa do Tarzan e Jane 5 estrelas. A noite a gente dorme com uma sinfonia de sapos na lagoa e de dia para chegar no restaurante para tomar café temos que dar passagem para as vacas. É um lugar perfeito se você quer dar aquela desligada do mundo lá fora, se conectar com a natureza, dar um relax. A 15 minutos andando do hotel fica uma prainha onde o Danúbio desemboca no mar Negro.

 

 

detalhe do teto de uma igrejinha de Sfantu Georghe

 

No hotel é possível alugar barcos com um guia para fazer passeios pelo Delta. Em Sfântu Georghe tem que ter permissão para poder entrar por conta de ser considerada património da Humanidade pela UNESCO. É um lugar perfeito para quem gosta de observar pássaros. Eu vi o primeiro pelicano da minha vida ao vivo e a cores, livre, leve e solto. ❤️

parece quase uma Amazônia hehe

Floresta de Tulcea

Pelas redondezas do hotel dá para fazer uma caminhada pela cidadezinha que tem ali ou pegar um barco para chegar até a floresta de Tulcea que há 400 anos atrás costumava ser o mar e pertencia ao Império Otomano (também sou cultura, gente). Lá ainda se podem ver cavalos selvagens e no chão nasce uma plantinha alucinógena.

a caminho da floresta

 

Antes de ir:

Quem tem passaporte brasileiro não precisa de visto e pode permanecer até 90 dias. A moeda local não é o euro e sim lei. As coisas no geral são bem mais baratas se comparadas com o resto da zooropa. Levar repelente é indispensável a não ser que você queria voltar cheio de lembranças pelo corpo todo 🙂
O povo romeno tem uma coisa especial, não sei. Eu senti uma vibe muito ancestral visitando essas áreas. Talvez eu tenha sido uma camponesinha lá em outras vidas.

Vegetarianos e veganos: Eles comem muita carne, pimentão e pepino. Foi meio sofrido conseguir comer direito, as vezes só me traziam salada como prato principal. E não é todo mundo que fala/entende inglês. Então a minha dica é leve nuts, um pó protéico, algo que vá te nutrir para não ficar com deficiência de proteínas.

Espero que você tenha curtido ler sobre essa mini aventura.  A gente se vê em breve! 😘

Espiritualidade

A minha jornada de auto-conhecimento, cura e aceitação

Eu sei que raramente tenho aparecido por aqui. O motivo disso é porque estou tentando dar um jeito na minha vida. É agora que estou digerindo melhor todas as coisas que aconteceram nesses últimos 5, 6 anos. Relacionamento, mudança de país, gravidez, o fato de ter virado mãe, ter aprendido mais uma língua, viver em uma sociedade completamente diferente a qual eu estava acostumada, meu despertar espiritual, 2 cirurgias que mudaram muito o meu rosto, ter iniciado o processo de parar de consumir alimentos de origem animal, lutar pela minha independência (coisa que ainda estou fazendo a todo vapor) e ao mesmo tempo encontrar o meu propósito. Sim, uma porrada de coisas.

Agora sinto um pouco mais de segurança no chão onde piso. Estou aprendendo a viver no meu tempo, a me respeitar do jeito que sou e isso leva tempo, dedicação e acima de tudo respeito por si própria. Eu sempre quis fazer muitas coisas mas nem sempre tive a confiança que precisava. Sempre achei que outra pessoa falaria por mim ou que se eu falasse o que pensasse, correria o risco de ganhar a antipatia dos outros.  Muitas neuras, medos e  inseguranças. Sempre  aquela sensação de não ser boa o bastante, de esse não ser o momento perfeito.

Mas esses perrengues todos que passei e ainda estou passando estão me fazendo aprender tantas coisas incríveis e revolucionárias. Hoje eu vejo com outros olhos as situações mais difíceis que passei e agradeço porque se não fossem por elas, eu não teria procurado ajuda e não saberia tudo o que aprendi nesse processo de cura e libertação. Mas as vezes dá vontade de desistir de tudo, de ir me isolar em algum internato ou ir para um retiro de novo. Mas o grande desafio mesmo é conseguir não pirar nas situações do dia a dia e conseguir dar conta daquilo que a gente pode conforme as nossas limitações.

Quando a gente mergulha nesse universo de auto-conhecimento/espiritualidade a gente acaba não só se deparando com o divino que habita dentro da gente mas o podre também. Coisas trevosas surgem do nada, coisas que a gente pensava que já tinha curado faz tempo vem à tona.

Enfim, só queria mesmo era vir dar um oizinho por aqui e dizer que as coisas vão melhorar e ficar cada vez mais claras. Talvez eu tenha escolhido o caminho mias longo mas tenho certeza de que vai valer a pena.

Um beijo no core e em breve voltarei aqui com um montão de coisas para compartilhar 💜

 

devaneios

Dando o ar da graça

crédito da imagem: ofelipeguga

 

Lá vem ela depois de 500 anos sem escrever nada por essas bandas (como sempre). Gente, eu sou uma típica geminiana. Ou é 8 ou é 80. Os meus amigos são super acostumados com os meus sumiços e oscilações de humores e opinões. Sempre volto como se nada tivesse acontecido e consigo pegar o trem andando. No problem.

Agora posso voltar a escrever normalmente porque finalmente arrumei o Blog. Eeeee! Arrumei o pau gigante que tinha dado aqui e agora está tudo nos trinques de novo.

Então, eu tô muito louca para começar a gravar uns videozin porque acho que vou ser mais eficiente e poupar vocês dos textões. Porém, ainda não posso fazer isso apesar de eu ter um gazilhão de ideias na cabeça, eu não estou conseguindo falar direito e a minha cara está do tamanho da Lua. Na semana passada eu tirei duas próteses de titânio (10 cm cada uma!) da minha mandíbula, aí por conta disso estou de molho. Pra mim está sendo ótimo apesar de não conseguir sair de casa ainda por conta do inchaço. Já li dois livros e agora estou na metade do terceiro para vocês terem ideia! Eu estou curtindo esse tempinho para ficar em casa porque ultimamente ando trabalhando muito.

Esse ano tem sido muito incrível. Ele já começou bem intenso. Eu e o Alex passamos a virada no meio da Mata Atlântica porque eu decidi ir tomar o chá da floresta; Ayahuasca. Foi muito lindo e um tanto difícil também. Nós dormimos separados dentro de um templo usando os nossos colchões de yoga e para se ter ideia não havia nem água quente no chuveiro. Depois disso posso com todo o meu coração afirmar que a minha vida nunca será a mesma. Ainda bem. Pra mim foi uma das coisas mais maravilhosas que fiz. Foi mais uma experiência única de superação e auto conhecimento.

Eu juro que vou voltar aqui e contar tim tim por tim tim como foi a minha experiência (são taaantas coisas que ficaria falando pela eternidade!). Mas enfim, agora estou focando em ficar bem logo, e em junho eu e o Benji vamos ao Brasil. Vai rolar um curso muito especial no mesmo lugar em que eu tomei a aya e senti que eu precisava muito voltar lá. Vou aproveitar para matar as saudades infinitas de todo mundo também! E comprar uns 20 quilos de cristais de novo e renovar o meu estoque de livros em português!

Agora em maio eu estava inscrita em um curso de meditação Vispassana do grupo Dharma aqui da Suécia. Seriam 10 dias em silêncio, mas aí resolvi preferir ir para o Brasil e fazer o curso que terá a duração de 2 semanas nas quais irei ficar totalmente isolada do mundo. Vai ser puro love. Sei que não vai ser fácil, até então eu nunca fiquei mais de 4 dias longe do Benja. (e nem 5 minutos sem 4G hehe). Sim, eu virei muito bicho grilo. Aliás, sempre fui, agora que veio a tona mesmo..

Aqui chegou a primavera mas ainda continua nevando em pleno mês de abril porém os dias já estão ficando mais claros e a esperança começa a ressurgir no coração do povo. Eu estou bem feliz também porque ultimamente tenho me desafiado e comido praticamente só coisas veganas aqui em casa e já vi uma grande diferença no meu bem estar geral. Não é uma coisa fácil de se fazer e estou respeitando o meu tempo..

Bom, acho que é isso.

Um bejo no core.

 

 

 

SparaSpara

devaneios

fica a dica

Oi, hoje vou fazer daqui o meu divã.

Eu sou do tipo bem ansiosa. As vezes não tenho muita paciência para esperar por coisas e sou bem impulsiva. Prazer, sou geminiana. Acho que não estou sozinha nesse mundo não, né! Não vejo a hora de um dia poder voltar para a Índia e ficar quanto tempo for preciso em um ashram no Himalaya mas enquanto isso não acontece vou me auto hippiezando.

Li esses dias uma lista que pode ser de uso coletivo para o bem da humanidade. Ela é bem usada entre os praticantes de yoga e hinduístas.

Aqui vai ela dividida em duas partes:

Vamos começar com 5 yamas. Eles nada mais são do que códigos de conduta, de como a gente deve viver nesse mundo louco.

  1. Ahimsa, também conhecido por não violência. Seja gentil.
  2. Satya ou veracidade. Deixe de lado a baboseira e seja completo. Seja legal só quando você tiver a intenção de sê-lo! Não fique guardando tudo dentro de si mesmo porque uma hora isso vai explodir, aí hajam sessões de terapia para dar um jeito nisso.
  3. Asteya, ou o famoso não roubar. Assim, no sentido mais sério da palavra.
  4. Brahmacharya (para quem até então pensava que Brahma era só nome de cerveja ruim..), significa moderação. O famoso jargão “somente o necessário, o extraordinário é demais”
  5. Aparigraha, ou desapego. Essa é fácil, pelo menos para mim. Se tem uma coisa que não me agrada mais, eu passo adiante. Pode ser o que for.

E agora vão os niyamas. Eles são práticas para melhorar a nossa relação com as outras pessoas.

  1. Saucha, clareza, pureza. Tenha pessoas a sua volta que te deem um up na vida, que tragam o nosso melhor, que nos ajude a evoluir na vida e não o contrário.
  2. Santosha, ou contentamento. Ser grato por tudo o que conquistamos até hoje e tentar desfocar o pensamento de coisas que queremos o tempo todo.  (essa é difícil com todas essas wishlists salvas..)
  3. Tapas, ou auto disciplina. Não significa que a gente vai sair se auto estapeando quando não conseguirmos completar algo. É mais para darmos um tchau para a nossa zona de conforto e enfrentar o desconhecido. Porque com ele a gente apanha, quebra a cara e aprende na vida. Se a gente fica sempre na mesma acaba virando um bunda mole. Eu sei disso porque sou bem as duas coisas.
  4. Svadhyaya,  auto estudo, auto reflexão. Estar atento as nossas ações e pensamentos e ter uma ideia qual será o  resultado deles lá na frente. Tentar entender que tipo de pessoa somos.
  5. Isvara-pranidhana, ou devoção, fé. Eu nunca fui do tipo religiosa mas acredito muito na energia das coisas. Essa é para acreditar em algo superior a você, nem que sejam unicórnios..

 

devaneios

hey, fazedores de bullying do colegial: operay!

Olárr, pessoas!

Há oito dias atrás eu entrei na faca.

Desde que eu me conheço por gente sabia que esse dia iria chegar.. foi bem difícil o caminho mas finalmente aconteceu! Embora todo mundo da minha família fosse contra e muita gente falasse que eu não precisasse..

O problema era (felicidade é pouco dizer “era” e não “é” ) ser dentucinha e ter um queixo de pau, como diz a minha avó. Esteticamente falando, isso não me incomodava tanto mas a minha mordida era toda zoada. O dente de cima tinha uma distância de 2 dedos com o de baixo! Uma coisa gigante porque quem tem uma mordida normal a distancia é nula. Sem contar que eu nunca consegui fechar a boca direito. Aí a minha saída era sorrir 🙂 porque já que ia ter que ficar com a boca aberta, né.. Mas assim, volta e meia eu tinha dores de cabeça por conta da mordida toda errada e pelo cansaço dos músculos do meu rosto também. Sem contar que eu respirava pela boca. Enfim, foram quase 20 anos de dentucismo.
O drama foi longo. No Brasil eu tentei sem sucesso que o meu seguro de saúde na época, o Bradesco Saude, cobrisse a minha cirurgia. Foi uma baita perda de tempo e frustração. Até tinha dado entrada na ANS – agência nacional da saúde e dai que acabei me mudando aqui para a Suécia e tentei a sorte aqui para a cirurgia. Eu fiquei tão feliz quando soube que o governo cobriria toda a minha cirurgia! E também não precisei pagar pelo aparelho odontológico, somente pela manutenção – que não pode exceder a quantia superior a 1100 coroas anuais, depois disso nós recebemos  o que eles chamam de “frikort”. O frikort é um cartão coringa porque você com ele não precisará mais pagar por nenhuma consulta dentro dos próximos 12 meses. É muito incrível isso. É curioso que para usar o sistema de saúde publico sueco nós pagamos um valor simbólico pela consulta, que gira em torno de 200 a 350 coroas. Mas depois de ter atingido esse valor máximo de 1100 coroas tudo passa a ser de graça de fato!

Tudo andou muito rápido para a minha cirurgia aqui. Mais rápido do que eu esperava! Eu fui em um dentista comum para pedir uma “remiss” (referência) para encaminhamento cirúrgico. E dai depois disso já encontrei com o dentista que faria o meu tratamento odontológico visando já para a cirurgia. E isso começou no final de maio do ano passado, e agora dia 1 de março eu operei!

Fiz a cirurgia no mesmo hospital em que o Benji nasceu, o Karolinska. Estava quase me mudando para lá porque antes disso quase todos os dias tinha que dar um pulo lá para checarem algo em mim. Uma semana antes fiz ressonância magnética em uma máquina que parecia um donuts azul gigante. Dá um certo desespero ficar parada dentro daquele troço, e a gente ainda nem pode se mexer ou engolir. Tem que ficar com a língua no céu da boca o tempo todo. Eles queriam saber aonde estavam localizados os meus nervos do maxilar para saber qual tipo de cirurgia eles fariam.

E daí que eles abriram o meu maxilar de ponta a ponta! O corte começa atrás do último dente inferior direito e vai até o último da esquerda! Ontem consegui tirar um raio x para ver o que tenho na cara depois da cirurgia. Em cada lado colocaram uma placa de titânio de aproximadamente 4 cm (o que é grande pra caramba) em cada lado do meu maxilar, e eles também diminuíram o meu queixo e fizeram a ligação do osso mentoniano (tô craque já nas nomeações!) com quatro parafusos de titânio. O titânio é um metal incrível porque ele não é magnético (não vou apitar quando passar pelo detector de metais em aeroportos..) e nem corrosivo, e é geralmente bem aceito pelo corpo humano.

A cirurgia em si a gente não sente nada, thanks god! mas o pós operatório é hell. Eu fui internada no mesmo dia da cirurgia, o que foi bem ruim porque tive que ficar sem comer e beber desde a noite anterior. Aí antes de ir para o hospital me pediram para que eu tomasse dois banhos em casa com um sabonete e shampoo anti bactericida. Entrei no hospital as 7:30 e a cirurgia saiu ao meio dia. A operação demorou 5 horas! Fiquei com a boca lá  arregaçada por todo esse tempo. Fiz dois xixizinhos antes da cirurgia para evitar de ganhar um catéter dentro de mim! Não tem como não ficar uma pilha de nervo. Dá um medinho de nunca mais acordar mesmo. E você tá lá em um ambiente completamente estranho, com pessoas pegando em você, longe de todo mundo. Aí o sorinho na veia começou. Espalharam adesivos pelo meu corpo com cabinhos. Respondi ao 2938892 questionário e fomos para a sala de cirurgia. Tinham umas 7 pessoinhas lá, andando para todos os lados. Aeee o bife chegou! Uma das cirurgiãs, que nunca vi na vida, foi simpática e me disse para pensar em alguma coisa muito boa, uma coisa que eu queria sonhar durante a cirurgia, que era para eu ter aquilo em mente durante o tempo todo não importasse o que acontecesse. Obviamente, que eu comecei a chorar, né, pô. Aí nisso, você já está com uma mascara de oxigênio na tua cara, aquela holofote  nos teus olhos.. e daí vai ficando tudo calminho, gostosinho e PRETO.

Acordei deitada em uma maca dentro de uma salinha cheia de computadores e algumas pessoas. Eu estava igual a um cachorro no deserto de sede e fome! Aí uma das pessoas que eu pedi água falou para eu ter cuidado para não beber muita água porque eu tinha recebido muito soro na veia e a minha bexiga poderia meio que.. explodir, seria a palavra?! Aí dei uma vomitadinha básica de sangue. Isso tudo com a cara toda enfaixada, babando, tentando fazer que me entendessem falando desse jeito em sueco. A cara a gente não sente nada, já a garganta… Eu chorei três dias de dor só por engolir a saliva. Tudo incha muito. Absurdamente muito mesmo. Você super se sente como se fosse um integrante da família do Fofão. Mas eu fiquei tão feliz por meu nariz não estar congestionado. Muita gente diz que fica com as vias nasais super congestionadas por uns 10 dias por conta da sonda. Mais um sofrimento extra que escapei. meu nariz está levemente ralado, dá para ver que passou um monstro por ali. Bom, ainda bem que, miraculosamente, escapei dessa. E pelo contrário, acho que nunca respirei tão bem na minha vida!

Bom, resumindo a ópera, não vou poder comer nada sólido bom um bom tempo. Só suquinho e sopinha na canequinha. O meu maxilar não se mexe, tô me sentindo igual ao  homem de lata do mágico de Oz, faltando um óleozin nas articulações. Eu não sinto o lábio inferior e muito menos o meu queixo. Vai demorar um tempo para que eu comece a sentir novamente. Já sei que vou perder em torno de 30% da sensibilidade do queixo. Enquanto isso eu  tenho que comer usando a língua. É bem estranho. E nada de tentar comer coisas com pedaços porque além de não conseguir mastigar nada, para tudo dentro da boca nos cantos e é horrível para conseguir limpar sem sofrer. Eu tenho que escovar os dentes usando uma escova de bebê igual ao do Benji e uso uma garrafa de água para dar um jato no final da boca em lugares eu chamo de buraco negro porque não consigo alcançar com a escova.

Fiquei na morfina na veia por três dias. Esses três primeiros dias em que fiquei no hospital, foram um in-fer-no. As coisas básicas vitais eram bem difíceis de serem feitas. Agora eu voltei a dormir deitada mas até então era só sentada e ainda não consigo mexer muito o meu pescoço. Assim, to bem gata. Mas o que mais tem incomodado mesmo são as dores no pescoço e de garganta. É uma lutinha. E todos os remédios que eu tenho que tomar são em pílulas monstras que eu quebro no meio e mesmo assim as vezes eles param na garganta. Repito o processo 3 vezes ao dia. Eu tenho um roxo amarelado que começa no pescoço e desce até o meu peitoral. E a babação.. estou parecendo um bulldog. É sério.

Mas o que anima é que todo dia que acordo sinto uma melhora. O inchaço diminui, a abertura da boca aumenta um tiquinho, a pele do meu lábio começa a ficar um pouco melhor e assim vai. E acho que essa cirurgia foi tão mágica que até as minhas olheiras de Gretchen deram uma melhorada! É preciso de muita paciência de Buda porque para comer é bem incomodo, e todas as comidas duras são extremamente atrativas para a gente que tudo começa a ter até um que de pornô haha! Eu tenho sonhos eróticos com macarrons de pistache, por exemplo. E eu não consigo pronunciar as letras p e b. E eu tenho que repetir umas três vezes o que eu quero falar para me entenderem. Mas não preciso mais escrever na lousinha do Benji. Um espirro saiu como se fosse uma tosse. O bocejo só sai no pensamento. To quase me sentindo uma criança. Agora já to conseguindo comer uns purezinhos. Tudo com colher super pequena de plástico senão não dá. A vontade de sair arrancando todo esse aparelho da boca e que o tempo passe logo para eu poder comer um pedaço de aipo bem crocante é grande! Mas enquanto isso haja tempo, bepantol e paciência!

Beijos só se for na testa!

 

decor Suécia

Sobre a história da Ikea, o cara que fez do limão uma caipirinha

Para quem não conhece Ikea é tipo uma casas Bahia sueca que existe no resto do mundo menos no Brasil. Ela é um bagulho fenomenal.

Nós podemos comparar o seu estilo com o das lojas Etna e Tok Stok – elas obviamente foram inspiradas na Ikea porém não são tão acessíveis quanto.

A IKEA foi criada no final da década de 50 quando o dono da cocada preta Ingvar Kamprad tinha só 17 aninhos já com um instinto de dominar o mundo.
Antes de fundar a Ikea, Ingvar já tinha o espírito empreendedor. Ele começou vendendo selos até que evoluiu para a venda de móveis. Aí ele viu que o negócio começou a crescer e resolveu fazer um armazém. Aí um belo dia ele decidiu fazer daquele armazém sua loja só que com uma ideia brilhante que virou o carro chefe da Ikea: os clientes iam direto no estoque aberto e pegavam os produtos que queriam adquirir. É o famoso ta det själv, “pegue você mesmo”. Isso facilitou a vida de muita gente porque não era necessário ter que ficar esperando uma cota para ter o produto entregue em casa. Até hoje é assim quando a gente compra em alguma outra loja aqui. Por exemplo, para comprar um sofá a gente tem que esperar por volta de 3 meses. Então além de o cliente ser responsável pelo transporte do produto ele também é quem faz a montagem do mesmo. Eu adoro fazer isso. É tipo um quebra cabeças versão adulto.

ikea-1Além da ideia do ta det själv, o que também a tornou popular foram os preços bem acessíveis dos produtos. E olha não tem que não se apaixone pelas coisas de lá. O design é maravilhoso e super funcional. Eles pensaram em tu-do. Eles vendem desde cozinhas planejadas, eletrodomésticos, móveis, brinquedos e até tem uma linha de alimentos chamada Ikea food. E é tudo muito manjado porque as lojas são gigantes, e eles sabem que nós vamos passar o dia lá lucycrazy namorando todos os produtos, enfrentando fila, cruzando o tráfico de carrinhos de compras, etc., que eles até bolaram um restaurante com comida típica sueca. Esse cardápio é valido em todas as lojas do planeta. Em todas eles servem a mesma coisa: almôndegas, purê de batatas e geleia de lingonberries (frutas silvestres típicas daqui). E ah, tem até um lugar em que os pais podem deixar os filhos acima de 3 anos para brincarem enquanto fazem compras.

E o nome dos produtos são todos em sueco, all over the world. Eu não sabia disso e achei sacanagem porque não é muito fácil pronunciar e lembrar os nomes para quem não fala a língua.

Obviamente que o Ingvar tornou-se uma das pessoas mais podres de rica do planeta. Sente só, ele é apenas o cara mais rico da Suíça (sim, ele é sueco mas mora lá).  Para se ter ideia ele é obviamente o dono da Ikea mas também do maior banco da Suécia, o Ikano.

Com certeza, uma outra coisa que ajudou muito no sucesso da Ikea foi o fato do Ingvar ter tido a brilhante ideia de trabalhar cada dia em um setor diferente da loja para ver o que poderia ser melhorado em cada um deles. Então, tipo, um dia ele era caixa, no outro era quem checava o estoque, etc. Ele sempre foi pau para toda obra. E apesar de ele ter rios de dinheiro, ele continua levando uma vida em uma casa modesta e tem o mesmo carro há um bom tempo (obviamente é um Volvo, aquele modelo clássico que cabe a família toda e uns móveis da Ikea atravessados no meio).

Até saiu uma reportagem no jornal inglês Daily Mail dizendo que ele barganha até no preço do mercadinho da esquina da casa dele. Modesto ou tio patinhas, nunca saberemos.

Um outro fato interessante é que a impressão anual do catálogo da Ikea supera a da Bíblia (que é o livro mais impresso do mundo).

E agora eles acabaram de lançar uma coleção inspirada nas cores do Brasil. Eu só achei que eles deveriam ter explorado mais a nossa palheta de cores e formas!

 

Se eu conseguir um emprego como designer lá dentro já tá MIR de bom!

E ah, uma coisa é certa: só volto para o Brasil quando tiver IKEA!