Browsing Tag:

guias e roteiros

Europa

As coisas mais legais de se fazer em Copenhague

Olá, gente!

Aqui neste post eu divido um pouquinho sobre o que fazer em Copenhague, essa cidadezinha que ganhou o meu coração. Apesar de ser bem cara, a capital da Dinamarca é o destino perfeito para um bate e volta. A cidade é relativamente pequena e as atrações ficam bem perto uma das outras.

Primeiramente, pra quem não sabe, Copenhague é o sonho de todo ciclista. A cidade é super acessível para quem pedala, chega até ser meio inacreditável de quão perfeito isso funciona. Lá são os ciclistas que mandam no trânsito e os carros super respeitam. E foi muito tranquilo alugar uma bike e descobrir a cidade. Juro que fiquei com um pouco de receio no início e pensei que os locais fossem ser um pouco selvagens, sem paciência com os turistas. Mas foi tudo super tranquilo e fiquei até emocionada em ver como tudo fluía tão bem. Para se ter ideia, até semáforos separados para os ciclistas existem.

A capital é pequena e para conseguir ver tudo com tranquilidade sugiro que você consiga ver tudo em 3 dias. Se você faz o tipo de pessoa que curte visitar todos os museus e atrações, o Copenhagen Card é uma ótima opção. Nele já estão incluídas todas as entradas e transporte público. Você pode ler mais sobre isso aqui.

O que fazer:

  • Alugue uma bike

Como fui para lá durante o verão, que por sinal nesse ano foi super quente, decidi fazer o máximo possível de bike. A cidade é plana e perfeita para andar de bicicleta. Eu aluguei a magrela mais high tech ever, a Donkey bike. Logo que você baixa o aplicativo e localiza a bike mais próxima e pá, sair pedalando. Foi surreal porque para destravar e travar a bike era só aproximar o celular, dar o comando no app e isso acontecia como num passe de mágica.

Quanto: eu achei o preço do aluguel bem bom, 110DKK por dia e eles tem esse serviço 24/7.

View this post on Instagram

I’m so happy that I visited CPH 🧡 // Tô tão feliz de ter conhecido essa cidadezinha tão linda! 🇩🇰 Essa viagem foi super espontânea (decidi ir pra lá um dia antes, a passagem de trem saindo de Stk estava quase de graça). O melhor jeito de se explorar a cidade é pedalando. Lá quem mandam são os ciclistas e foi muito de boa alugar uma bike e sair andando (tive um pouco de medo que eles fossem ser meio selvagens com os turistas assim como em Amsterdam mas deu tudo certo). Os dinamarqueses pareceram ser mais relaxados do que os suecos (pelo menos foi essa a impressão que tive). Eu gostei muito de lá apesar de ser tudo o zóio da cara (bem mais caro do que a Suécia para se ter ideia). A única coisa que achei meio difícil foi achar opções vegetarianas para comer – nada Que um japa ou um italiano não resolva 😬. A cidade é bem pequena e tudo fica perto, em 4 dias dá tranquilo para conseguir ver tudo. E você, qual país da Escandinávia você tem mais vontade de conhecer?

A post shared by Bruna Piloto (@brunapraviagem) on

  • Faça um passeio de barco pelos canais

Durante o verão (ou dias não tão frios), a minha dica é pegar um passeio de barco pelos canais saindo do porto de Nyhavn ou Gammel Strand. Essa é uma boa oportunidade para se ter uma ideia da distância entre os pontos turísticos da cidade. Os passeios duram em média 1h e custam em torno de 60DKK. A vista é bacana e é um programa turistão nível nivel hard mas vale a pena. Você senta e relaxa e let it be, totalmente passivo. O barco passa pelos principais pontos turísticos: a Pequena sereia, a Ópera, Christianshavn, o Palácio de Amalienborg, entre outros.

Ah, vale deixar a dica de que a maioria desses barcos não tem cobertura, ou seja, se começar a chover todo mundo fica molhado então tenha pelo menos algo na bolsa para se protejer e manter seus eletrônicos secos.

parque tivoli em Copenhague

Crédito: Tivoli

 

  • conheça o Tivoli Gardens

Essa é uma opção caso você tenha uns bons dias na cidade e/ou esteja viajando com crianças (a criança interior também conta nessa). Lá além dos brinquedos, você também encontra restaurantes, barraquinhas vendendo coisas típicas, lojas cheia de cacarecos que não precisávamos ter até encontra-los (sério, eles até tem uma Illums bolighus, quem é apaixonado por design escandinavo sabe do que estou falando 😉

O parque é muito lindinho e sempre tem algum evento acontecendo. Se você não puder passar o dia lá, a minha dica é ir visitá-lo no final da tarde já que ele fica ainda mais maravilhoso todo iluminado durante a noite.

Quanto: entrada a partir de 120DKK *adulto e pulseira para andar nas atrações 230DKK.

porto de Nyhavn em Copenhague

  • Passeie por Nyhavn

Essa é um must, o cartão postal de Copenhague. É o lugar mais turístico de toda a cidade mas mesmo assim vale muito a pena porque é uma gracinha. Eu juro que voltei lá todos os dias para chupar um sorvete rs! Durante os dias quentes, os restaurantes colocam as mesas no lado de fora então dá para ter aquela refeição gostosa bem longa curtindo a vista. Só de andar por ali já vale muito a pena, é um lugar perfeito para people watching.

Compre uma Carlsberg e relaxe em algum lugar no porto 🙂

bicicletas em Christiania, Copenhague

  • Conheça a comunidade alternativa Christiania

Lá eles tem suas próprias leis e não se consideram como sendo parte da União Européia, é uma sociedade dentro da sociedade. O lugar que antes era uma base militar foi ocupado por hippies nos anos 70 que eram contrários ao sistema capitalista. O consumo de maconha é permitido e você vê pessoas a vendendo nas barraquinhas. Não é permitido fotografar dentro da comunidade. As pessoas que moram lá – que por sinal não são muitas, construíram as suas próprias casas. Eles têm várias regras no lugar: não ao consumo de drogas pesadas, a entrada de carro é proibida, não à violência e às armas, dentre outras regras.

Foi interessante conhecer esse lugar apesar de eu não ter sentido uma vibe muito boa. Perto da comunidade tem uma igreja, a the Saviour Church, que vale a pena conhecer se você curte vistas panorâmicas de cidades. Você sobe 40 degraus e tem uma vista bem legal de lá de cima.

estátua da pequena sereia em Copenhague

  • Veja a estátua da Pequena Sereia

Lembram do filminho da Disney da Pequena Sereia que assistimos umas 500 vezes? Então, ele foi baseado nos contos do dinamarquês Hans Cristian Andersen, Den lille havfrue.

Assim, a estátua é bem pequena mesmo e fica em um parque a uns 2 km do centro da cidade. No dia em que eu fui, ela estava lotada de turistas e eu nem me arrisquei em chegar muito perto porque não curto muito lugares muvucados (essa foto aí está cortando as 938493 pessoas posando ao redor dela).  Se você tem paciência e tempo de sobra, vale a pena ir, senão é dispensável. Não vale a pena ir caminhando de Nyhavn pra lá, alugue uma bike ou vá com os passeios de barco.

casas amarelas em Nyboder, Copenhague

  • Visite o bairro Nyboder

Esse lugar eu descobri totalmente sem querer quando estava pedalando. Na hora parei porque adorei a cor dele: todo cheio de casinhas amarelas. Elas foram construídas para marinheiros no séc XVII pelo rei e hoje em dia moram pessoas normais. Foi ali também que foram filmadas algumas cenas do filme Garota dinamarquesa. Bom, se você é apaixonado por arquitetura, vale a pena uma parada.

  • Gråbrodertorv

Essa é uma praça típica com aqueles predinhos de fachada gracinha que todo mundo geralmente se apaixona. Eu a encontrei meio escondida perto das ruas comerciais do centro e fiquei super feliz. Super charmosa, perfeita para um cafézinho ou almoço. Lá tem vários restaurantes e eu recomendo o simpleRaw que serve comidas veganas deliciosas e lyndas.

Fatos a serem considerados antes de ir:

A Dinamarca também faz parte do acordo de Schengen, ou seja, brasileiros podem permanecer até 90 dias com possibilidade de renovação de visto.

Como citado antes, a cidade é bem cara, então é bom fazer um planejamento legal para não sair muito fora do seu orçamento. Pra se ter idéia, Copenhague é mais cara do que Estocolmo, aonde moro – e aqui já é considerada uma capital cara. Uma refeição custava em média 120DKK, uma cerveja pint num bar, 55DKK e um hotel no centro custa em torno de 2000DKK.

Resumindo, fora essas dicas, também tem vários castelos que valem a pena conhecer para quem curte. Dessa vez, eu quis fazer uma coisa mais livre e não quis entrar em castelos. Na próxima vez que eu voltar, quero visitar o bairro de Norrebro que tem cara de ser bem legal também e quem sabe ver os castelos?

Bom, espero que você tenha gostado dessa cidade o tanto quanto eu gostei e se tiver alguém que quiser me dar umas dicas, também está valendo! 🙂

A gente se vê no próximo rolê!