Browsing Tag:

vida no exterior

Suécia

As desvantagens de se morar nas gringa

Antes de me mudar pra valer para a Suécia, eu me achava “sabida” só porque andei cavocando todas as entradas possíveis no buraco negro da internerds sobre aqui, arranhava um pouco de sueco e também porque tinha vindo pra cá algumas vezes de visita relâmpago.. (sendo que nunca tinha vindo no inverno pra valer.. e até agora não fiquei um inverno se quer aqui).

O resultado? Meio que quebrei a cara no asfalto da BR. E olha isso porque sempre tive o Alexander do meu lado, sendo que ele é sueco e sabe dos paranauê das coisas. É muito diferente quando se muda para um país por tempo indeterminado do que quando se vai só por uma temporada, as pedrinhas no sapato incomodam muito mais.

A minha ideia não é cortar o barato de ninguém mas sim meio que dar um banho de realidade (algo que eu deveria ter tido). Todo mundo sabe que não existe lugar perfeito (por mais que a Gloria Maria tenha tentado convencer geral de que aqui é o paraíso).

E é claro que tem as coisas que valem a pena de ter dado o pé do Brasil. Mas acho que tudo é uma questão fazer um balanço nas prioridades que se têm na vida, porque yes, tudo tem um preço. Essa pequena lista não se trata somente da Suécia e sim da vida na gringolândia em geral. Sobre a Suécia eu falei neste post aqui.

O que eu quero dizer é que muita gente muda para outros pais pensando que vai escapar de todos os problemas, algumas vezes isso acontece mas os problemas se tornam outros. (Até nisso rola um exchange hehe!)

Vou lançar o top 3:

  • o tal do choque cultural

Vixe Maria, muita gente sempre vem me perguntar do tal. E não é uma coisa que vai acontecendo aos poucos até você pensar: pronto, adaptay! Não há ky no mundo que faça a coisa ficar mais fácil, a situação menos embaraçosa. É tipo como um banho de agua fria cada vez que isso acontece. Por exemplo, se você estava acostumado a vida toda a dar beijinho na bochecha das pessoas logo depois de conhecê-las e depois se vê em uma situação em que tal comportamento causa um certo desconforto nas pipol (aqui na Suécia só se beija no rosto as pessoas que tem intimidade entre si.. otherwise, só uma chacoalhada de mão e finito. sem um, nem dois e , muito menos, três beijinhos..).

É tipo, tentar cortar um comportamento que já é automático na gente e tentar substitui-lo por algo totalmente estranho.. e por ai vai. Por mais que você aprenda a língua, viva no pais durante décadas, vai ter uma hora que você não entendeu aquela piadinha interna porque fazia parte de um desenhinho que todo mundo viu menos você.

  • a saudade passa a ser um sentimento constante e dói mais do que você imaginava..

Eu nunca fui muito grudada com a minha família por conta de sempre ter tido formiga na bunda. Mas a gente sempre se reunia quando dava. Desde que eu me conheço por gente sempre queria ¨ir embora, morar algures alem mar¨. Mas eu fui bem na inocência e só queria enxergar o que me convinha sobre morar na Suécia. Morar em uma cidade diferente da sua família dentro do Brasil e se encontrar algumas vezes ao ano é uma coisa mas mudar para um país do outro lado do globo é totalmente outros quinhentos. E daí que quando passou a euforia de ter me mudado e tals, eu me senti como se estivesse dentro de uma bolha extremamente distante do resto de todas as pessoas queridas pra mim. Tipo, em uma outra galáxia. E por mais que exista FaceTime, Skype e a parafernália toda não tem nada nesse mundo que substitua a convivência. Sim, eles sempre vão vibrar com você a cada conquista que você fizer e também vão chorar quando alguma merda acontecer. Mas sempre vai ter nada alem de uma tela na nossa frente. Sem contar a diferença de fuso, a coneção ruim.. E agora, depois que tive o Benji eu sinto uma culpa constante de ter que criar o meu filho longe do resto da minha família. E isso tudo dói, e muito. Pode ter certeza.

  • começar do zero

No começo vai ser assim, a gente é um zé ninguém. Muita gente que era a pica das galáxias no pais de onde veio tem que abaixar a bola. Aqui, por exemplo, quase todo mundo fala um inglês perfeito. No Brasil, como um inglês nos trinques a gente já consegue descolar um trampo já por esses lados isso não é um diferencial. Sempre ter aquele feeling de ser o cego no meio de um tiroteio. Antes de vir pra cá eu estava super empolgada em como iriam ser as, vamos dizer, ¨diferenças¨ no dia a dia. Agora, rola uma certa penação. Uma simples atividade pode virar um projeto de aprendizado gigante (abençoado Google!). Isso leva tempo. E as vezes o sistema é lento! A média de tempo que um imigrante leva aqui na Suécia para conseguir um emprego na área, falar sueco fluente, ter um certo ciclo social é de 5 anos!

 

Eu acho que esse é o lado negro da moeda. Mas a gente tem que dar o cara a tapa e ver como se sai nisso tudo.. e estar preparado para o que pode vir, né non?

E um outro dia eu volto para contar o lado cor de rosa de morar nas zoropa, nas gringa, em geral. Ogay?!